Estão loucos ou tolos?, estes romanos.

Sobre a muralha "romana" de Lugo e o seu incompreensível traçado:
(tirado da wikipédia)
"O traçado da construção defensiva está envolvido em mistério, pois ninguém consegue explicar por que deixou fora importantes núcleos residenciais da antiga cidade ao mesmo tempo em que protegia zonas desabitadas..."

O espaço galaico poderia articular-se, articulava-se sob unidades mais ou menos circulares, com caminho perimetral de aproximadamente meia légua que delimitavam superfícies de 50 - 80Ha aproximadamente as maiores, estas unidades eram variáveis e adaptadas ao terreno.





Freguesia de Prêsaras, e os seus lugares desenhados ainda por caminhos e cricas.

Não são estas unidades todas propriamente castros; montes de chousa apresentam também esta conformação. Vilas como Sobrado dos Monges também, o mosteiro e as terras próprias imediatas circundadas pola sua muralha também estão sob esta conformação de perímetro de caminho de meia légua, assim como os bairros que conformam a atual vila. Unidades agrárias, como as apresentadas na foto da freguesia de Prêsaras, são as mais frequentes por muita parte da Galiza atual, a cabeceira do Tambre está assim desenhada, inçada, praticamente cobrindo o território sem deixar um lugar sem ocupar.




Esboço das unidades que conformavam o Lugo antigo:




Há lugares galaicos nos que a aldeia, o lugar habitacional, segue estando no núcleo central, mas noutros lugres o núcleo central está desabitado, e a aldeia está "expulsada" para a rua, para o caminho perimetral...
Estes unidades agrárias recebem diferentes nomes, são lugares, locus, lucus, herdos, (eard), eidos, áreas ....


Ainda assim, depois da romanização, e com as aldeias expulsadas do centro para os perímetros, os caminhos não foram modificados.
Caminhos velhos, corredoiras que grafam a terra e ajudam a entender esta conformação celular.

A atual cidade de Lugo e as suas muralhas estão dentro do padrão de ocupação do território celto-galaico descrito. A muralha é obrigado que abranja o perímetro da unidade de assentamento no território, é por isso que deixa bairros fora, porque não pertenciam a ela, e é por isso que protege zonas desabitadas.

Este modelo implica que a Gallaecia pudo ter muita, bem muita gente morando nela.
Implica uma continuidade...




Sistema de chousas para o gando no Monte de Bóveda.


Esta ideia nasceu de não ser entendido onde era que estava a população que faltava para manter uma "elite", ou um artesanato, ou um estamento religioso...
O modelo de assentamento apenas por "castros" é insuficiente. Onde estavam as cortes das vacas?

Nenhum comentário:

Postar um comentário